Enviar lista por e-mail

Boleto Bancário

O boleto deve ser impresso após a finalização do pedido, pois não enviamos via correio.

A data de vencimento do boleto é de 5 dias corridos após o fechamento do pedido, após esta data ele perderá a validade. Na impossibilidade de imprimí-lo, faça o pagamento do boleto pelo Home Banking do seu banco. Para isso, utilize o código de barra localizado na parte superior esquerda da ficha de compensação do boleto. Não é possível pagar seu boleto atravéz de DOC, transferência e depósito para a conta indicada neste boleto.

Abaixo estão os prazos para confirmação de pagamento do seu pedido, de acordo com a forma de pagamento do boleto.
Pago em dinheiro no Banco Bradesco: 1 dia útil
Pago em dinheiro em outros Bancos: 2 dias úteis
Pago em cheque no Banco Bradesco:
- Cheque abaixo de R$ 300 = 2 dias úteis
- Cheque acima de R$ 300 = 1 dia útil.
Pago em cheque em outros Bancos: 5 dias úteis.

Encontre A Fremax

Point Map Endereço:
Rua: Anaburgo, 5.600
Joinville. SC - Brasil

01/11/2017

A história dos discos de freio

Os sistemas de freios a disco surgiram em 1902. Na época, eles ainda se apresentavam muito caros e pouco confiáveis, entregando um baixíssimo custo-benefício quando comparados aos tambores. A tecnologia acabou não vingando e foi deixada de lado.

Somente na segunda guerra mundial os sistemas de freios a disco voltariam com tudo. O sistema foi empregado em aeronaves do exército e mostraram uma eficiência de frenagem muito superior, quando comparado aos tambores de freio tradicionais.

Em 1960, com o final da guerra, os discos de freio passaram a ser adotados nas linhas de produção dos automóveis. A partir dali, a tecnologia começou a evoluir continuamente. Até o final da década de 60 os discos eram fabricados exclusivamente em ferro fundido, mas com o aumento da potência dos motores e as maiores velocidades, fez-se necessário o desenvolvimento de um disco de freio a partir de materiais cada vez mais resistentes e duráveis para atender a essas novas características.

Fibra de carbono

Em meados de 1970, surgiu o projeto do avião Concorde, ambicioso e potente, ele era o avião de passageiros mais rápido do mundo. Para aguentar o nível de atrito e resistir a alta pressão das rodas, foi projetado um disco de freio com um novo material: a fibra de carbono. Este seria o material responsável por dar mais durabilidade e resistência aos discos. A fibra de carbono deixava os discos de freio mais leves, resistentes e estáveis mesmo sob altas temperaturas.

Para se ter uma ideia da leveza dos discos de freio de fibra de carbono, assim que eles foram aplicados, o avião Concorde (aeronave de passageiros mais rápida do mundo) ficou 5 toneladas mais leve.

Resistência, durabilidade, leveza e estabilidade. Ali estava o material perfeito para substituir os tradicionais discos de ferro fundido dos carros de competição.

Esse material só ganharia as estradas com o projetista Gordon Murray, da equipe Brabham da F-1. Ele passou longos meses estudando essa tecnologia e tudo que a compunha, com a ideia de leva-la para os carros de corrida.

Discos para carros de corrida

Passado um longo período de estudos, Gordon Murray adaptou o projeto do sistema de discos de freio do Concorde para um carro de F-1, e assim nasceu o primeiro disco de freio de fibra de carbono para carros de corrida.

Com o tempo, discos de freio de fibra de carbono passaram a ser um padrão na F-1 e em diversas outras categorias de ponta. O ganho de poder de frenagem, peso reduzido, baixo consumo de materiais de atrito e a confiabilidade do sistema não sofrer de fading (falha no sistema por aumento de temperatura) justificaram os altos investimento nos freios de fibra de carbono.

No começo dos anos 1990, a francesa Venturi lançou o Atlantique 400 GT, o primeiro carro convencional com discos de fibra de carbono de série. O modelo iniciou um novo mercado para os fabricantes de sistemas de freios.

Não demorou muito para que marcas como Ferrari, Lamborghini, Mercedes-Benz, Porsche, Jaguar, Aston Martin e todos os grandes fabricantes de carros esportes adotassem a mesma tecnologia para os seus discos de freio.

Devido ao alto custo e a baixa escala de fabricação, ainda hoje é raro encontrar discos de freio em fibra de carbono, e quase a totalidade do mercado ainda utiliza o ferro fundido na fabricação de discos e tambores de freios oferecendo um produto com baixo custo de fabricação e relativa eficiência.

Mas assim como a história evoluiu, Fremax também está constantemente aperfeiçoando seus produtos. Inovadora desde as suas origens, a Fremax desenvolveu a tecnologia Carbon+, uma liga de ferro fundido com alto conteúdo de carbono que aumenta a vida útil dos discos, além de aumentar a segurança nas frenagens devido a melhor dissipação de calor. Esta tecnologia Carbon+ foi desenvolvida inicialmente para a Stock Car Brasil é atualmente utilizada em todos os discos e tambores de freio FREMAX trazendo todo o benefício desta aos seus clientes.

Hoje, competições como Stock Car e a Porsche Cup, levam exclusivamente discos de freio Fremax em todos os seus carros. Isso garante mais poder de frenagem e resistência aos carros destas categorias. Eficiência comprovada e aprovada.

Fremax aprendeu com o passado, para fabricar os discos de freio do futuro. O resultado não poderia ser melhor. Conheça as tecnologias clicando aqui.